Zimbório


 

William Beckford afirma do Zimbório de Mafra que "como desenho é infinitamente superior ao resto do edifício e pode com certeza ser classificado entre os mais elegantes e bem proporcionados da Europa".

À semelhança do de São Pedro de Roma e do da igreja de Santa Maria das Flores, em Florença (Brunelesco), o Zimbório é dobrado, quer dizer, é formado por duas cúpulas concêntricas, mas separadas uma da outra por uma câmara ocupada por uma escadaria conducente ao topo (lanternim).

A divina circularidade do Zimbório arremeda uma coroa e esta remete para a Rainha dos Céus, cujas litânias (oito delas) se observam esculpidas sobre as janelas rasgadas no seu tambor octogonal.

O programa iconográfico do Zimbório contempla outras alusões à rainha dos Céus. Com efeito, a Imaculada Conceição acha-se implícita na enorme pomba (1,5 m de envergadura) que sobrevoa o conjunto, suspensa do lanternim que encerra a cúpula. Por outro lado, os eflúvios do Espírito Santo, tornam-se aparentes no interior da rotunda, na forma de oito festões, repletos de rosas, os quais, coroando a humanidade (no Pentecostes ou Páscoa Rosada), inspiram os seus passos de volta à Casa do Pai.